Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

zona de desconforto

zona de desconforto

Get away | Porto - restaurantes: os muito bons, o assim-assim e o que tem a mania. Ah, e vinho do Porto!

Com esta ida ao Porto aprendi que, definitivamente, não se pode confiar nos meteorologistas. Ah e tal vai chover e trovejar e quase de certeza que vai ser necessário lançar um aviso amarelo, e também vai estar frio com temperaturas ali a rondar os 18°C. Tu-do mentira! Choveu no penúltimo dia de manhã, sim, com alguma intensidade, mas durante todos os outros dias esteve sol e calor e só me apetecia andar de calções e de ténis e não de calças de ganga e botins, preparadíssima para uma intempérie que nunca veio - e ainda bem, diga-se!
Com sol ou chuva, uma escapadinha à cidade invicta sabe sempre bem. Não deu para descansar muito porque andámos sempre de um lado para o outro - 77km, segundo o pedómetro do telemóvel! - , mas serviu, sobretudo, para arejar a cabeça e comer bem. E que bem que se come no Porto! Comecemos pelo início, pelo pequeno-almoço...

 

O Diplomata

Pessoal, este sítio é de paragem OBRIGATÓRIA! Estivemos quatro dias na cidade e três pequenos-almoços foram feitos aqui. Podem pedir sumos naturais, tostas, caipirinhas, até um copo de vinho mas aqui as estrelas são as panquecas! Digo, sem medos, que O Diplomata tem as melhores panquecas que já comi. Podem ser de base normal, aveia, chocolate ou mirtilo e as coberturas à escolha vão desde frutas, maple syrup, mel, geleia ou chocolate. Aqui o difícil é mesmo escolher. Comi as de base de aveia e base normal e, apesar de serem as duas muito boas, as de aveia têm um lugar especial no meu coração. São deliciosaaaaaaas! Se vos apetecer uma coisa mais fresquinha apostem na taça de açaí com fruta, iogurte e granola que também é muito boa. Para beber aconselho a infusão de chá preto, laranja e canela ou o capuccino. Se não beberem leite normal, como eu, peçam com leite de soja que eles têm :)

 

2016-05-29 11.04.07 1.jpg

 

2016-05-29 11.03.27 1.jpg

 

 

 

2016-05-29 11.07.01 1.jpg

 

2016-05-29 11.12.25 1.jpg

 

 

Tascö

"Muito mais do que um restaurante." é esta a definição do restaurante, perdão, tasco, na respectiva página de Facebook. E é mesmo! Não é só a comida que é memorável, é o espaço que é lindíssimo, provavelmente o mais bonito onde já comi, são os empregados que são simpatiquíssimos e muito acessíveis, é o ambiente descontraído que convida a ficar e a beber mais um copo de vinho. As fotografias que tirei estão longe, muito longe, de fazerem jus à beleza do espaço porque, apesar de o restaurante ser lindo, a luz para tirar fotografias é péssima - pormenor irrelevante porque também não é para isso que os restaurantes servem, apesar de, por vezes, acharmos que sim. Se quiserem ter uma ideia mais aproximada visitem a página de Facebook ou a do Zomato. Melhor só mesmo irem lá e verem com os vossos próprios olhos. Para comer recomendo a fusão de alheira com grelos salteados e broa, as batatas fritas às rodelas, as pataniscas e o arroz de tomate. No fim rematem tudo com um cheesecake e um copo de vinho do Porto.

20160526_215347_001 (1).jpg

 

2016-05-29 11.19.37 1.jpg

 

2016-05-29 11.18.58 1.jpg

 

2016-05-29 11.07.47 1.jpg

 

 

Café Santiago

Ir ao Porto e não comer uma francesinha dá direito a prisão, certo? Chegámos mesmo em cima da hora de jantar e depois de irmos ao hotel deixar as malas demos corda às perninhas e fomos ao Santigao devorar as famosas - as verdadeiras? - francesinhas. E, se dúvidas houvesse, aqui fica mais um testemunho: são mesmo boas. O pão impecavelmente torrado e estaladiço, a carne muito tenra, o ovo estrelado no ponto, o molho delicioso... tudo a que uma pessoa com fome e cansada de uma viagem de comboio que durou cerca de 3h tem direito. O atendimento é muito simpático e descontraído e fez-me lembrar, por momentos, a casa da minha sogra. "Não quer mais molho quentinho para deitar por cima das batatas? E batatinhas fritas quer mais? Essas chegam? Pode pedir!", desconfio que o plano daquela gente é matar os clientes de ataque cardíaco. Bem, ao menos morrem felizes.

 

2016-05-29 11.02.48 1.jpg

 

 

Leitaria da Quinta do Paço

Ficava mesmo ao lado do nosso hotel e foi uma agradável surpresa. Tem uma esplanada muito simpática e lá dentro o espaço é amplo e muito minimalista, todo branquinho. É famosa pelos éclairs mas toda a pastelaria artesanal disponível tem muito bom ar. Provei o mini éclair de frutos vermelhos e o normal de limão e gostei bastante, especialmente do de limão. Não é o meu bolo favorito mas se tivesse uma Leitaria da Quinta do Paço perto de minha casa era bastante provável que lá passasse algum tempo a provar todos os éclairs até decidir qual o melhor. São muito leves e frescos e sente-se o amor com que são feitos a cada dentada. Não sugiro o espaço para pequenos-almoços porque na rua de baixo há O Diplomata e, enfim, acho que já disse tudo lá em cima, mas é uma óptima opção para lanches. A sandes de bacon, brie e maçã é uma delícia.

 

Miss Pavlova

Depois dos pratos principais não podem faltar as sobremesas! Por muito cheios que estejamos há sempre espaço para um docinho, certo? Vá lá, não sejam meninos. Nunca tinha provado uma pavlova mas a classificação desta Miss era tão alta e tinha reviews tão elogiosas no Zomato que tive de lá passar depois de almoço. Ia muito cheia e apetecia-me mesmo uma coisa levezinha. A simpática senhora que estava ao balcão, depois de me explicar o que era uma pavlova, aconselhou-me a de frutos vermelhos e não podia ter aconselhado melhor. É uma sobremesa muito fresquinha, leve e doce q.b.. Debaixo de olho ficou a de brownie que vai ter de ficar para uma próxima oportunidade. A Miss Pavlova fica no espaço Almada 13, uma departmant and concept store que para além da cafetaria incluí outras cinco lojas com coisas lindas desde roupa, acessórios - têm óculos muito giros da Mr. Boho - a artigos de decoração. Se passarem por lá aproveitem para dar uma voltinha neste espaço tão original.

2016-05-29 11.10.40 1.jpg

 

 

 

Moustache

Fomos ao Moustache na última noite comer a sobremesa pós jantar com as expectativas elevadíssimas. À semelhança da Miss Pavlova também tinha uma classificação simpática no Zomato e as fotos dos bolos eram de babar. Como não querer ir a um sítio que vende fatias de bolo red velvet? Como? Infelizmente o Moustache desiludiu. Os bolos são bons, que são, mas não são nada de extraordinário e aquele red velvet roça assim o banalzinho. O cupcake da Tease é bem melhor. Só lá fui duas vezes e ainda hoje me lembro dele. Isso diz muito. O espaço do Moustache também precisa de um facelift urgente. Acho que a ideia é terem um estilo retro mas não modernizarem um espaço que parece que abriu nos anos 70 é só aborrecido.

2016-05-29 11.11.49 1.jpg

 

Majestic

Não sei se se come bem ou mal porque só lá fui beber um chá e bastou-me. O espaço é muito giro, é um clássico do Porto, e tudo e tudo e tudo, mas o serviço deixa muito a desejar e os preços são ridículos. Como já sabíamos ao que íamos pedimos um chá de jasmim e um café que resultou numa espectacular conta de 7€. 3€ pelo café banalíssimo e 4 pelo chá. Pensei que o chá era uma infusão de ervas servidas naquelas peneiras que se mergulham em água quente - n'O Diplomata é assim :) - mas não, no Majestic o chá é mesmo de saqueta. Ah mas é uma saqueta da TWG, é um chá gourmet e o melhor do mundo. Até pode ser, mas na Leitaria da Quinta do Paço servem o mesmo tipo de chá e custa apenas 2€. Isto é só o Majestic a ser pavão. Como se os preços não fossem suficientes para uma pessoa não voltar o atendimento é sofrível. Para além de falarem com os clientes como se fossem crianças de 5 anos - extremamente irritante!... - a resposta que um dos empregados deu a um senhor inglês que lhe pediu a password do wifi foi ridícula: não dão acesso ao wifi porque senão as pessoas ficam ali muito tempo. Não é extraordinário? Quando a filosofia de um restaurante é cobrar o máximo que pode ao cliente e pô-lo a andar o mais rapidamente possível, está tudo dito. 

 

2016-05-29 11.05.20 1.jpg

 

 

Para terminar num tom bem disposto e positivo vou aproveitar para falar da visita que fizemos às caves de vinho do Porto. Escolhemos a da Ferreira porque era a mais afastada da ponte D. Luís I, portanto com menos probabilidade de ter uma enchente, e porque a da Graham's era demasiado longe e já era tarde. Não estava à espera de gostar tanto mas gostei muitíssimo. Aprendi imensas coisas sobre a marca e sobre o vinho do Porto propriamente dito. Sabiam que um vinho com 10 anos não esteve mesmo dentro das barricas durante todo esse tempo? O que eles fazem é misturar um vinho de 6 anos com um de 14 para, assim, fazer um cuja média de idade ronda os 10 anos. Não é interessante? Eu achei. No fim da visita tivemos direito a uma prova de dois vinhos do Porto, branco e twany, que me deixaram com uma azia terrível e levemente embriaga, a sentir tudo a andar à roda quando eu só queria andar em frente. Nada que um passeio à beira-rio não tivesse resolvido. Já a azia, infelizmente, só passou no outro dia de manhã. Nota mental: não beber dois copos de vinho altamente alcoólico ao fim do dia quando a digestão do almoço já foi feita há uma eternidade.

 

20160527_164655.jpg

 

IMG_20160527_171300.jpg

 

 

1 comentário

Comentar post